Trabalhadores vão denunciar ao MP privatização de centro de saúde mental

Por Rede Brasil Atual

Trabalhadores vão denunciar ao MP privatização de centro de saúde mental

Proposta do governo estadual é de repassar gestão do Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental da Água Funda para OS

Por: Cida de Oliveira.

 

Protesto de funcionários do CAISM, considerado o melhor do país (Foto: Divulgação/Sindsaúde)

São Paulo – Trabalhadores, familiares e usuários do Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental (CAISM) da Água Funda, na capital paulista, vão protocolar denúncia no Ministério Público contra a intenção do governo paulista de privatizar a unidade.

O educador físico Paulo Roberto Spina, servidor do CAISM e integrante do Fórum Popular de Saúde do Estado de São Paulo, explica que o governo de Geraldo Alckmin pretende desmontar todo o serviço oferecido pela unidade que é considerada a melhor do país segundo avaliação do Ministério da Saúde.

“O centro é modelo em saúde mental, com serviços como Centro de Assistência e Promoção Social (Caps), residência terapêutica, internação de psicóticos agudos e oferta de leitos para tratamento de  dependência química. É o único do estado que atende distúrbios mentais e dependência, com profissionais qualificados e com atendimento inteiramente humanizado”, afirma.

Em seu lugar, segundo Spina, o governo pretende instalar um centro de internação de álcool e drogas para atender às demandas de uma “higienização social absurda que querem promover com a chegada de grandes eventos”. Até o fechamento da reportagem, a Secretaria Estadual de Saúde não confirmou a informação. Mas por meio da assessoria de imprensa limitou-se a informar que o serviço não será desativado.

No último dia 20 de setembro, em entrevista ao site da revista Veja, o psiquiatra Ronaldo Laranjeira afirmou que 150 leitos para internação para o tratamento de alcoolismo e drogas serão instalados rapidamente na capital “no Hospital da Água Funda”.

O renomado psiquiatra integra o conselho administrativo da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), uma organização social (OS) responsável pela gestão de dez grandes hospitais públicos, como o Brigadeiro e Estadual de Diadema, além de ambulatórios e outros serviços.

Ainda segundo Spina, a criação da unidade de internação foi confirmada nesta sexta-feira (21) pela direção da unidade, que não soube explicar o que acontecerá com os trabalhadores e se o atendimento prestado será oferecido em um outro local.

Além de apresentar denúncia ao Ministério Público, que já investiga o processo de privatização da saúde em São Paulo e que recentemente conseguiu barrar a venda, pelo estado, de 25% dos leitos do SUS a usuários dos planos de saúde em hospitais geridos por OSs, a comissão fará duas manifestações na próxima semana. Na terça-feira (25), às 10 horas, haverá um ato em frente ao hospital. Os manifestantes seguirão para a Assembleia Legislativa, onde denunciarão a proposta em audiência pública convocada pelo deputado Marcos Martins (PT) para discutir saúde pública. Na quarta, no mesmo horário, os manifestantes farão novo ato público.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: