Na Espanha, teste de vacina contra o HIV tem sucesso em 90% dos casos

Um estudo clínico, ainda em fase inicial, revelou a eficácia de uma vacina preventiva desenvolvida por espanhóis do CSIC (Instituto de Ciência de Materiais de Madrid) contra o vírus do HIV (vírus da imunodeficiência humana).

Entre os voluntários não infectados, 90% desenvolveram-se imunes ao vírus. Destes, 85% mantiveram essa imunidade durante, ao menos, um ano. Revistas como Vaccine e Journal of Virology publicaram artigos descrevendo a eficácia e a segurança da vacina.

Leia mais:
Mugabe acusa funcionários de transmitirem HIV indiscriminadamente
Na América Latina, foco é ampliar tratamento para portadores de HIV
Bento XVI aceita uso de camisinha para reduzir risco de Aids
África do Sul: Em campanha contra HIV, atores de filmes pornô usam camisinha em cena

O êxito do tratamento se baseia no sistema imunológico, que poderia ser treinado para responder às partículas do vírus e às células infectadas de forma duradoura. Segundo Mariano Esteban, investigador do Centro Nacional de Biotecnologia do CSIC, a vacina “tem demonstrado que é tão potente ou até melhor que as vacinas atualmente em estudo”.

“Os resultados devem ser tomados com cautela já que o tratamento foi provado apenas em 30 voluntários e, ainda que estimule uma resposta potente na maioria dos casos, é cedo para dizer que as defesas induzidas previnam a infecção”, relatou Felipe García, doutor responsável pela equipe de investigação do Centro.

O tratamento teve êxito e pessoas que não estavam infectadas com o HIV. O próximo passo, segundo os pesquisadores, é provar a vacina em pessoas que estejam infectadas. A vacina pretende treinar o sistema imunológico para detectar e aprender a combater os componentes do vírus. “É como se mostrássemos uma foto do HIV para o sistema, para que ele o reconhecesse e o combatesse caso o encontrasse no futuro”, finalizou García.

Durante o tratamento, os pesquisadores introduziram quatro genes do HIV na sequência genética da vacina. O sistema imunológico age contra o vírus e os genes colocados e seu DNA não são capazes de infectar s seres humanos. Ao menos, é o que garante o ensaio clínico.

*Com informações da ABC.

Siga o Opera Mundi no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: