Ministério da Saúde: Tapando o sol com a peneira (mamógrafos do SUS)

A terceirização, a privatização da Saúde pública escancarada dos DEMO/Tucanos ou a velada de outras fontes não aparece, não é citada pelo site governamental. Se a saúde pública funcionar bem, quem ira pagar consultas particulares e planos de saúde? Atuandopor dentro do sistema a medicina privada assume várias faces, entre elas a má gestão deliberada do SUS e o competente uso dos recursos públicos acessíveis apenas à quem paga.

Fica uma dúvida, querem tapar o sol com a peneira, nos fazer de bobos, ou eles realmente acreditam nas sandices que escrevem?

SUS tem mamógrafos suficientes, mas concentração regional e baixa produtividade são entraves

Ministério da Saúde realizou auditoria para nortear plano contra o câncer de colo de útero e de mama, que terá investimentos de R$ 4,5 bilhões até 2014

Os 1.514 mamógrafos que realizam exames de mama pelo Sistema Único de Saúde (SUS), dos quais 85% estão em funcionamento, oferecem atendimento avaliado como bom ou muito bom por 91% das brasileiras. O diagnóstico é resultado de auditoria e pesquisa de satisfação, ambas inéditas, realizadas pelo Ministério da Saúde em todos os 1.399 estabelecimentos de saúde que fazem mamografias no país.

“A partir desse diagnóstico, podemos trabalhar com mais precisão para dobrar o número de exames no Brasil, preenchendo a capacidade de produção dos mamógrafos”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

A ação, coordenada pelo Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus), foi adotada como parte do Plano Nacional de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Colo de Útero e de Mama, lançado em março. Com investimentos do Ministério da Saúde de R$ 4,5 bilhões até 2014, o programa visa a reduzir a mortalidade entre os dois tipos de cânceres mais comuns entre as mulheres.

A vistoria apontou que o número de mamógrafos existentes no SUS é quase duas vezes maior que o necessário para cobrir toda a população brasileira, conforme parâmetro do Instituto Nacional do Câncer (INCA) de um aparelho para cada 240 mil habitantes. No entanto, a distribuição geográfica – cerca de 44% dos estão no Sudeste – e o baixo nível de produtividade são entraves à plena oferta do exame.

Entre os 15% sem uso, 111 não prestavam atendimento, 85 apresentavam defeito e 27 estavam ainda na embalagem. Conforme detectou a auditoria, problemas como ausência de manutenção (22,7%), deficiência de recursos humanos (18,8%) e falta de insumos (14,7%) provocam o baixo nível de produtividade dos aparelhos.

Distribuição dos mamógrafos por estado

 
Região/UF
 
No Mamógrafo
 
Mamógrafo em Uso
Mamógrafos sem uso
S/I
Mamógrafo sem produção
Com defeito
Na embalagem
Total sem uso
% sem uso
Norte
86
66
4
14
2
20
23,3
Rondônia
7
6
1
1
14,3
Acre
3
1
2
2
66,7
Amazonas
24
18
2
4
6
25,0
Roraima
2
2
0
0,0
Pará
38
30
2
6
8
21,1
Amapá
2
1
1
1
50,0
Tocantins
10
8
2
2
20,0
Nordeste
351
274
41
24
11
76
21,7
1
Maranhão
35
23
5
3
4
12
34,3
Piauí
29
21
1
4
2
7
24,1
1
Ceará
40
34
2
3
1
6
15,0
R.G.Norte
22
17
5
5
22,7
Paraíba
17
9
4
1
3
8
47,1
Pernambuco
52
43
6
3
9
17,3
Alagoas
30
27
3
3
10,0
Sergipe
16
14
1
1
2
12,5
Bahia
110
86
17
6
1
24
21,8
Sudeste
669
587
45
23
10
78
11,7
4
M.Gerais
211
175
24
7
5
36
17,1
E. Santo
21
18
2
1
3
14,3
R.Janeiro
102
85
5
7
4
16
15,7
1
S. Paulo
335
309
14
8
1
23
6,9
3
Sul
287
261
13
9
3
25
8,7
1
Paraná
93
83
2
5
3
10
10,8
S. Catarina
64
64
0
0,0
R.G.Sul
130
114
11
4
15
11,5
1
C.Oeste
121
97
8
15
1
24
19,8
M.G. Sul
23
18
5
5
21,7
M. Grosso
24
21
2
1
3
12,5
Goiás
62
49
5
7
1
13
21,0
DistritoFederal
12
9
1
2
3
25,0
Brasil
1514
1285
111
85
27
223
14,7
6
Fonte: DENASUS/MS
S/I – Sem informação

Os auditores identificaram que 28% dos estabelecimentos do SUS não mantinham informações atualizadas junto ao Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), abrindo margem para estabelecimentos que não mais atendiam pelo SUS ou que tinham registros de produção de mamografias, mas os exames eram realizados em postos terceirizados.

Medidas – Em parceria com estados e municípios, o Ministério da Saúde instalará mamógrafos nos locais onde estes não existem e criará unidades móveis, que atenderão cidades menores de maneira itinerante.

Outra estratégia será o reforço à manutenção dos aparelhos. Segundo o ministro Padilha, a ideia é comprar pacotes de fornecimento de insumos vinculados à assistência técnica para apoiar, sobretudo, os estados do Norte e Nordeste. Para operar os equipamentos, serão capacitados 25 mil técnicos em radiologia até 2015.

Mamografia ofertada na rede pública tem 90% de avaliação positiva

Em paralelo às auditorias, o Ministério da Saúde realizou pesquisa telefônica em todas as capitais para avaliar a percepção das usuárias quanto à qualidade dos serviços de mamografias.

A enquete apontou que 90% das mulheres avaliaram o atendimento recebido durante o exame como bom e muito bom. Para 75%, não houver qualquer dificuldade para a realização do exame – entre as outras 25%, o tempo de espera aparece como a principal queixa.

Segundo o relato das usuárias, 87,3% conseguiram realizar o exame em até 3 meses, sendo que 50,5% em até 30 dias. Já o resultado foi obtido em até um mês por 84,2% das mulheres e entre um e três meses por outras 12,2%.

Estatísticas do câncer – A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima mais de um milhão de casos novos de câncer de mama por ano em todo o mundo. No Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), há aproximadamente 49 mil casos e cerca de 10 mil óbitos por ano – uma taxa bruta de 11,4 óbitos para cada 100 mil mulheres.

O Ministério da Saúde recomenda o rastreamento do câncer de mama por meio de mamografia realizada a cada dois anos nas mulheres de 50 a 69 anos, faixa etária adotada em todos os países que mantêm programa de rastreamento organizado, como recomenda a OMS.
O câncer de mama constitui-se na primeira causa de morte dentre as neoplasias em mulheres e tanto a incidência como a mortalidade têm aumentado. A detecção precoce é fundamental no controle do câncer, proporcionando a redução das internações e da mortalidade.

Milton Junior, da Agência Saúde – Ascom/MS
(61) 3315-6258
jornalismo@saude.gov.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: